ENTREVISTA JOÃO MOTA – TREINADOR DE FUTEBOL

Nessa entrevista falamos com o treinador de futebol português João Mota*.

.

Qual a formação necessária para ser técnico de futebol em Portugal? Existe algum curso específico?

Na verdade, em Portugal você não pode exercer a profissão de treinador de futebol, mesmo que seja com jovens em iniciação. Existem os cursos de 1º Nível UEFA que te dá direito a treinar base em iniciação, o 2º Nível UEFA que permite treinar base em Portugal e ser auxiliar da segunda divisão, existe o 3º Nível UEFA (UEFA A) que te capacita para treinares equipes profissionais excetuando a liga principal como treinador principal, mas que te permite treinar a 2ª liga profissional, depois tens o 4º Nível (Pro UEFA) que te permite treinar qualquer campeonato no mundo, existe ainda o Elite Young que te permite treinar e dirigir times na Youth Champions League. No meu caso eu estou capacitado com o UEFA A + Elite Young.

Na sua opinião quais os principais pontos que devem fazer parte da formação do profissional que pretenda ser técnico de futebol de alto rendimento?

Bem, existem alguns fatores que são inevitavelmente necessários que são, o conhecimento profundo da modalidade, do jogo; a capacidade de organizar, planejar e operacionalizar um plano de trabalho (conhecimento e organização ); ter um conhecimento mesmo que superficial de todas os fatores inerentes a uma equipe de futebol, falando de fisioterapia, fisiologia, psicologia, gestão de pessoas e grupos de crise, liderança, enfim, na minha opinião ser técnico de futebol é muito mais do que perceber de futebol, por isso eu creio que o carácter, a educação e o conhecimento são decisivos para o êxito. No entanto, penso também que em cada técnico deve existir uma ideia, uma visão, um modelo tipo que esse técnico visiona e se prepara para o colocar a funcionar, ter ideias próprias, personalidade para assumir as suas ideias e valores, só assim fará a diferença, se não for assim será apenas mais um igual a muitos outros.

Como a formação dos técnicos de futebol em Portugal está em relação à formação nos outros países?

Penso que a formação em Portugal tem valores e patamares de exigência que são necessários para que exista um nível técnico de formadores e profissionais de excelência, na verdade, os resultados desportivos que têm sido testemunhados por todo o mundo falam por si só. Na base, Portugal tem estado consequentemente nas fases finais de todas as competições, na seleção principal Portugal é o atual campeão europeu com técnico português, e se pesquisarmos em um nível topo de excelência, observamos técnicos portugueses nas principais equipes de elite europeia, e na Champions League, Portugal é um dos países no mundo que tem mais técnicos na competição, penso que estes fatos falam por si só se aceitarmos que Portugal é um  país  muito pequeno na Europa com cerca de apenas 10 milhões de habitantes.

Quais as grandes diferenças que você encontrou no Brasil em relação a Portugal quando falamos da formação dos treinadores?

A experiência vivida aqui no Brasil e em outros países que tenho observado, me dizem que, tem excelentes treinadores brasileiros, com qualidade, sérios e grandes profissionais.

No entanto, tem milhares que, na minha humilde opinião, o fato de exercerem funções como técnicos e formadores de jovens, mas sem formação ou aptidão para tal mostrando enorme egocentrismo para admitir que é necessário ter formação adequada e que deve existir um processo evolutivo e conhecimento para exercer tal cargo, leva a que, esses mesmos, deixem uma má fama do treinador brasileiro e para aqueles que realmente têm enorme valor e capacidade.

Hoje se valoriza muito a profissão de técnico de futebol, você acredita que os profissionais estão realmente preparados para essa valorização? A formação realmente prepara para essa realidade?

Acredito que os verdadeiros técnicos, os que se apetrecham de conhecimento, profissionalismo, que são verdadeiros líderes e formadores de atletas e por que não de homens?  Esses merecem ser valorizados sim, e se é verdade que o técnico de futebol merece ser valorizado, também é verdade que existem muitos que andam pelo mundo do futebol, e que, com suas grandes influências, conseguem se notarizar, mesmo sem mostrar efetivamente no campo um trabalho forte.

No futebol brasileiro se valoriza muito os ex-atletas para assumirem cargos de direção técnica, mesmo com pouca ou sem formação, como é essa relação do ex-atleta com o cargo de técnico em Portugal? Você acredita que a experiência como jogador é fundamental para a função de técnico?

Falando do que se passa em Portugal, seja ex-jogador ou não tem sempre que tirar os cursos, ganhar conhecimentos, que enquanto jogador não poderia entender, creio que o fato de termos sido grandes jogadores não faz de nós grandes técnicos. No entanto, creio que, o fato de ter sido ex-jogador pode trazer alguns benefícios específicos e em algumas áreas da profissão, mas nunca será razão para ter sucesso. Eu sou ex-jogador e realmente consigo em alguns pontos ter uma certa sensibilidade em assuntos que vivi como jogador e compreendo em muitas situações o que o atleta está sentindo, mas não me dá aptidão nem capacidade de gerir, organizar, liderar, montar, delegar e o carácter necessário para ter sucesso como técnico.

Em sua opinião, existe um perfil de liderança ideal para o técnico de futebol?

A liderança, no meu entender, é intrínseca, não podemos aprender a ser líderes, ou és ou não és líder, conheço pessoas que entendem de futebol, do jogo como ninguém, no entanto, não são técnicos porque não têm perfil de liderança, isso não se estuda, és ou não és. Penso que esse ponto é a razão porque muitos falsos técnicos andam por aí a “assassinar” jovens, porque o fato de entenderem de futebol fá-los pensar que já são técnicos e isso é um erro tremendo.

Quais dicas você daria para quem quer ingressar nessa área? Existe um caminho a seguir?

Diria que antes de tudo deve ter paixão, deve ter ideias próprias, uma visão, um sonho.

Depois, estar preparado para cair e levantar (perseverança), errar e melhorar, ganhar e perder. Costumo dizer que se não sabemos aceitar uma derrota, nunca seremos capazes de ser humildes nas vitórias, crer sempre mais porque o futebol não tem linha de meta, está sempre em desenvolvimento, em estudo, sempre aumentando a complexidade ou a simplicidade (o que é mais difícil. Acredito que, os fracos e menos competentes também ganham jogos, mas se fores bom, humilde, estares capacitado para organizar e comandar, ganhas campeonatos.

.

.

*João Mota é treinador de futebol, ex-atleta profissional de futebol; jogou 5 vezes pela Seleção de Portugal, e após 15 anos como jogador profissional seguiu a carreira de técnico iniciando com equipas de base em Portugal; foi convidado para ingressar na equipe profissional do S. C. Farense (Portugal) como auxiliar técnico e a partir daí , iniciou como treinador principal, passando por Al Khaleej (Emirados Árabes), Dibba al Hissin (Emirados Árabes), Aparecidense (GO), Hatta Club (Emirados Árabes); atualmente é técnico categoria sub-20 da A.D. Guarulhos.

.

.

.